Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2017

Eu bipolar buscando a paz.

Imagem
Fonte da imagem:https://www.facebook.com/universobipolarsp/
Hoje olhei essa imagem no meu face e sei lá, me identifiquei. Tenho diagnóstico de bipolaridade e um provável TB – Borderline- pouco importa. Os nomes não me definem porque sou muito mais. Contudo, os transtornos, ou o transtorno interfere muito na minha vida. Não saber como vou reagir e ter que viver em estado de alerta consome muito as minhas já tão parcas energias. Traz uma imensa solidão, esses transtornos. Afastei de mim as pessoas que mais amo, não por ser má, quem me conhece sabe que não sou má, muito pelo contrário. Mas talvez até por amar demais, exigir demais, ser carente demais. Agora aprendi a conviver comigo mesma, minha melhor companhia. Vou me acompanhar até o final, finalmente rainha que sempre quis ser. Existe na solidão uma estranha liberdade, jamais amarga, sempre doída, mas eternamente mestra. Aprendi a ser só nas longas madrugadas das muitas internações hospitalares que tive por problemas de saúde física mesmo, p…

A maciez da alma.

Imagem
Imagem Google.
Sexo verbal não faz meu estilo Palavras são erros, e os erros são seus Não quero lembrar que eu erro também Um dia pretendo tentar descobrir Porque é mais forte quem sabe mentir Não quero lembrar que eu minto também. Renato Russo.
Na dúvida, faça cara de paisagem. Contudo, cuidado, muito cuidado com o teu olhar. Talvez um ator minta com um olhar, talvez. Para os menos avisados. Para os ingênuos de plantão. Para as crianças jamais, crianças confiam nos seus instintos - pode-se enganar uma criança, mas aí os efeitos serão devastadores, assunto para outro post. Penso que existe dentro de todos nós animais que vivem farejando uns aos outros, procurando os sinais não verbais, aqueles que mostram quem somos realmente. Tal atitude em última análise é apenas defesa, nada mais do que isto. Instinto de sobrevivência, pois que nunca se sabe quando vem um ataque. E nem sempre estamos preparados para uma agressão verbal ainda que em tempos de pessoas muito agressivas. Para tanto, para convivermos n…

A louca.

Imagem
A louca andava nua

de hipocrisias.

Como cavalo selvagem, a imaginação da louca 

incontida era...

Era louca de atar beijos em asas de borboletas.

Ó pobre louca que esquecia 

o decoro, a ponderação, a ética dos mortais...

Trocou a ética pela estética

forma de viver e ser...

Como ser feliz entre normais?

Dançou com o golfinho,

gargalhou com os pardais...

Ó pobre louca que esquecia

as normas dos mortais...


Jeanne Geyer

Evolução.

Imagem

Causa desconhecida.

Imagem
Imagem Google
Morreu sufocada de causa desconhecida. Na autópsia, ao abrir o peito, os médicos olharam estupefatos palavras não ditas, mágoas e ressentimentos que jorravam aos borbotões do corpo gelado, cobrindo a sala fria com uma camada densa de névoa cinza e fétida. O olhar vazio fitava o infinito.
Era o final melancólico de uma série de enganos que fora sua vida. 
Jeanne Geyer

Quando me amei.

Imagem

Ousar.

Imagem

Heráclito.

Imagem

A viajante.

Imagem

Conselhos do Chico 8.

Imagem

Vaca sagrada.

Imagem
Entre lençóis macios e perfumados,
Eu te uso, abuso, cuspo
E em carinhos sou profuso,
Vaca sagrada.

Vadia, me chamas
Nas viagens do marido,
Para saciar tua fome

E eu venho qual mariposa
Seduzida pela luz que não é tua,
Luz que roubas dos teus amantes,
Vaca sagrada.

E deixo minha mulata no barracão
Se consumindo em chamas
Enquanto se devora selvagem e bela...

Porque tenho que te atender
E satisfazer,
Para depois para os amigos,
Com um certo orgulho poder dizer

A dona madame, estou comendo sim...


Jeanne Geyer

Superação.

Imagem

Impulso de vida.

Imagem

Liberdade!!!

Imagem

Charles Chaplin.

Imagem

Intolerável liberdade.

Imagem
A rua era sua casa, a solidão companheira, a fome, algoz a corroer entranhas vazias de tudo aquilo que um homem pode desejar. Nada tinha a perder, apenas sua intolerável liberdade. 
Jeanne Geyer

Sintonia.

Imagem

Capto-te.

Imagem
Fonte da imagem:https://brunosteinbach.wordpress.com/a-obra/catalogo-da-obra/#jp-carousel-329

Capto o som do mar, o perfume das flores, os sabores dos frutos... de amores, capto o  amar_ar no mar, a ma dor, amor.
Capto do sol a energia, da lua a poesia, do som a melodia,  para me lo  diar o teu dia.
Capto toda a energia vital para te ofertar, amor. Rapto-te.
Jeanne Geyer

Simbiose.

Imagem

Espera.

Imagem
Fonte da imagem:http://carolarbex.com.br/tag/exposicao/page/6/
Se voltares, amor, espera no sofá. Tem café no bule te esperando, Meu perfume ainda rodopia na sala, Ansioso pelo teu.
Aguarda meu querido, Fui me buscar onde me abandonaste Para me doar novamente Aos desejos teus.
Já não me enxergo no espelho sem teu olhar No corpo meu.

Jeanne Geyer

A culpa.

Imagem
Sua culpa foi nascer do ventre errado. Abandonado foi. Sem passado nem futuro, passou a ser temido pela sociedade frágil e indefesa. Virou bandido.
Jeanne Geyer

Ausência.

Imagem

Amor liquefeito.

Imagem

À espreita.

Imagem
O predador cobiça,
A presa inocente ousa.

Ele não vive sem ela,

Ela não vive com ele.

Contigo não posso viver, diz ela.

Longe de ti, viver impossível é, diz ele.

Entre contradições o jogo perigoso continua.

Ninguém recua ninguém avança...

E o tempo passa indiferente. 

Jeanne Geyer

Vadios e sem vergonha.

Imagem
Nas tardes mornas de verão, Tentando um ar blasé No rosto meu colocar, Ainda assim o teu cheiro, Vem de improviso me atormentar.
Pouco importa onde estás. O desejo de ti me persegue e guia, Por veredas onde me perco De ti, de mim, da vida plangente, Minha eterna agonia.
Vem meu bem vem que te quero em mim, E nos meus poros, Vem eu te imploro, Vem que te espero, Sempre tua..
nas tardes mornas de verão, nas folhas outonais deitada nua, Nas chuvas da primavera.

Faremos amor nas esquinas E becos...
Sem nome nem sobrenome Vadios e sem vergonha
Seremos nós...
Jeanne Geyer

Quando me amei.

Imagem

Sutil.

Imagem
Sei que me queres
captar,
possuir,
dominar...


Estou no sorriso escondido,
no perfume da flor,
no olhar que passa fugidio...


Sou da vida, sou do mundo, sou ligeira...


Do desenho sou o esboço,
da cachoeira o Arco Iris,
da estrada sou o vento,


do vento
a brisa que agita levemente
o perfume que a flor exala.


Do poema sou a emoção,
da emoção sou a essência...
da essência sou...
Sopro
Sussurro,
Brumas
E manhãs orvalhadas.


Se dentro de uma gota de orvalho 
me encontrares, serei tua.


Jeanne Geyer

Tempo de plantar.

Imagem

Osho.

Imagem

Carpe diem.

Imagem
Ultimam time, fuit hora, carpe diem, ou seja "temer a última hora, o tempo voa, aproveitar o dia presente".

Inscrição de um relógio solar no sul da França.
*
Te convido a ser feliz agora, no interstício entre as dores inevitáveis.
No instante fatal onde as almas perdidas encontram-se.
Já não sou eu, somos nós. É o tempo que voa.
Urge ser feliz. Exageradamente feliz.
A felicidade possível.

Jeanne Geyer

Ano Novo, vida nova?

Imagem
O que eu quero dizer para o ano novo é que se dependesse de comer lentilha, pular as 7 ondinhas, usar cuecas amarelas ou calcinha sei lá de que cor, comer leitão e não galinha porque cisca pra trás, dente de alho, galho de arruda, sal grosso, e banho de descarrego, o Brasil seria um paraíso. Não é. O que eu quero dizer é que ano que vem vou continuar lutando que é o que tenho e com o que conto. De resto, que cada um seja feliz com suas crenças e seu jeitinho especial de ser e viver. Feliz ano novo!! Ah, amor nunca é demais, ame além da conta!<3

O lado B.

Imagem
- Olá, eu sou o teu lado B.
- Como assim? Assusta-se a virtuosa.
- Sou sacana, sacou? Ih! Rimou! Ri-se debochado o lado B da virtuosa.
- Co... Como apareceste? Não te chamei.
- Claro que não, vives a me esconder.
- Não mintas! Não te conheço!
- Qual é, chega de hipocrisia, tua hora chegou madame.
- Saia já desta casa! Fora! Grita a virtuosa, olhar desvairado, trêmula, a saliva espumando em fúria nos cantos da boca retorcida.
- Sinto muito, meu amor, se sair terá que ir junto, pois que eu sou eu.
- Sei disto, mas que eu tenho a ver com isto?
- Ok, foi mal. Vamos melhorar nossa comunicação. Eu sou tu.
- Ah! Mas não é mesmo, diz ela mostrando com o dedo indicador imagens de santos vagando pela casa antiga.
Subitamente, o lado B fica sério.
- Certo, acho que não começamos bem. Veja bem, ih, rimou, ri-se novamente. Desculpe, é que eu sou assim, meio irreverente, entende?
- Não, não entendo, responde com raiva a virtuosa.
- Ok, respira fundo o lado B, resolvendo abordar o assunto de outra maneira. Lembras…